Fevereiro 21

Juan Gabriel Vásquez vence Prémio Literário Casino da Póvoa

GettyImages-152387413_770x433_acf_cropped

 

O escritor colombiano, autor de “A forma das ruínas“, é o vencedor do Prémio Literário Casino da Póvoa. O anúncio foi feito durante a manhã, no Correntes d’Escritas, na Póvoa de Varzim.

O romance A forma das ruínas, do columbiano Juan Gabriel Vásquez, é a obra vencedora do Prémio Literário Casino da Póvoa de 2018, o mais importante atribuído durante o Correntes d’Escritas. A decisão foi tomada por maioria de três votos contra dois, atribuídos ao livro Escola de Náufragos, do português Jaime Rocha, e anunciada durante a manhã desta quarta-feira, na sessão de abertura do festival literário da Póvoa de Varzim, que contou com a presença do ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes

Na declaração de voto, os membros do júri (composto por Fernando Pinto de Amaral, Javier Rioyo, José Mário Silva, Maria de Lurdes Sampaio e Teresa Martins Marques) que votaram a favor de A forma das ruínas, explicaram que a sua escolha recaiu sobre a obra de Juan Gabriel Vásquez devido ao seu “extraordinário fôlego narrativo e pelo notável retrato da história da Colômbia do século XX, fruto de uma vasta investigação pessoal e literária“. “A partir dos homicídios políticos que permanecem como feridas na memória coletiva, Juan Gabriel Vásquez criou uma ambiciosa e muito bem conseguida arquitectura romanesca. Além da criação de grandes, contraditórios e fascinantes personagens, o romance destaca-se pelo modo como fala do nosso tempo. Do tempo como labirinto.”

Um prodígio de narrativa que torna universal uma história simultaneamente pesada e presente”, referiram ainda os jurados.

A forma das ruínas, editado em Portugal pela Alfaguara, conta a história de Carlos Carballo, detido por tentar roubar de um museu o traje de Jorge Eleiécer Gaitán, líder político assassinado em Bogotá, em 1948, em plena guerra do Estado colombiano com os narcotraficantes. Um homem atormentado, Carballo tenta encontrar os sinais “que lhe permitam destrinçar os mistérios de um passado pelo qual está obcecado”. “No entanto, ninguém, nem as pessoas que lhe são mais próximas, suspeita das verdadeiras razões da sua obsessão”, refere a sinopse da obra.

Juan Gabriel Vásquez nasceu em 1973, na cidade de Bogotá, na Colômbia, e desde 1999 que vive em Barcelona. Autor da coleção de contos Los Amantes de Todos los Santos, da compilação de ensaios El arte de la distorción e dos romances Los Informantes, Historia secreta de Costaguana e O barulho das coisas ao cair, publicado pela Alfaguara em 2012, tem sido também responsável pela tradução de obras de autores como Victor Hugo e E. M. Forster. Entre os vários galardões que recebeu, contam-se o Prémio Alfaguara, em 2011, o Prémio Impac Dublin, em 2014, e o Prémio da Real Academia Espanhola, também em 2014. Em 2016, foi distinguido com o Prémio Literário Casa América Latina.

O Prémio Literário Casino da Póvoa destina-se a premiar anualmente uma obra editada em Portugal e escrita por um autor de língua portuguesa ou castelhana/hispânica. Em 2017, o prémio — no valor de 20 mil euros — foi atribuído à obra A Sombra do Mar, do poeta Armando Silva Carvalho. O galardão é entregue nos anos pares a uma novela ou romance e nos anos ímpares a poesia. Por essa razão, este ano, o prémio literário foi parar às mãos de um autor de um livro em prosa.

 

O Correntes d’Escritas, que começou na terça-feira, decorre até 24 de fevereiro, sábado. Juan Gabriel Vásquez deverá estar presente neste último dia do festival para receber o Prémio Literário Casino da Póvoa.

 

Via: Observador