Agosto 28

Etiquetas

Um livro por dia | A Piada Infinita

Picture1

‘Publicado em 1996, ‘A Piada Infinita’ é um livro sobre o nosso século (David Foster Wallace ‘programou-o’ para um futuro próximo, não muito distante) – e, sob a metáfora da América, está o mundo todo: uma corporação global, onde todos os países e todas as formas de condição humana se encontram espelhados ou sedimentados. De certa forma, ‘A Piada Infinita‘ é um livro tão total, tão poliédrico, tão cheio dos nossos estilhaços que é impossível resumi-lo: personagens espatafúrdias ou ‘normais’, eufóricas ou deprimidas, bem-humoradas ou completamente perdidas no Grande Tédio, apaixonadas por jogadores de ténis ou – privados de drogas tanto como consumindo um excesso de antidepressivos – à beira do suicídio.
O romance é tão transbordante de temas, o seu ritmo é tão alucinante (podendo passar de uma velocidade proibida a uma lentidão exasperante), as suas personagens tão divididas, a sua ‘sabedoria’ mescla-se de forma tão subtil com o ‘enciclopedismo’ da era da internet que o leitor é embalado (ao longo de 1200 páginas) numa viagem até ao mais subterrâneo do género humano. Esta viagem ao inferno de cada um de nós é a verdadeira terapia de choque: a ideia é enfrentar os demónios contemporâneos, sentir que tudo se perdeu, que não há saída – e subitamente um clarão ilumina a página, expondo todas as penumbras a uma luz de compreensão e de riso, ou de apaziguamento. Sem nunca o dizer, sem nunca o anunciar, ‘A Piada Infinita’ é um livro concebido como uma espécie de delírio curativo, uma prescrição literária.’

 

 

in Remédios Literários – Livros para salvar a sua vida
Ella Berthoud & Susan Elderkin