15 sugestões de leituras para o Halloween

alex-geerts-424409-unsplash

Se há data festiva que pede o conforto de um chá e de uma manta acompanhados de um bom livro essa é, sem dúvida alguma, o Halloween. Com ele a aproximar-se, e não nos deixando desanimar pelo facto de este ano calhar a um dia de semana, resolvemos sugerir-lhe algumas leituras para a noite mais assombrada do ano. Desde clássicos da literatura de horror, a policiais, livros baseados em histórias verídicas e até algumas sugestões para as crianças mais corajosas, temos livros para todos os gostos.

OS CLÁSSICOS DE TERROR

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

1. Drácula, Bram Stoker

Uma verdadeira obra-prima, Drácula transcendeu gerações, linguagem e cultura para tornar-se um dos romances mais populares alguma vez escritos. É por excelência uma história de suspense e horror, que ostenta um dos personagens mais terríveis que já nasceram na literatura: o conde Drácula, um espectro trágico e noturno que se alimenta do sangue dos vivos, e cujas paixões diabólicas depredam os inocentes, os desamparados, e os belos. Mas Drácula também se destaca como uma saga alegórica de um ser eternamente amaldiçoado cujas atrocidades noturnas refletem o lado sombrio da era extremamente moralista em que foi originalmente escrito – e os desejos corruptos que continuam a atormentar a condição humana moderna.

2. Todos os contos, Edgar Allan Poe

Edgar Allan Poe é um dos autores mais publicados do mundo, conhecido pela genialidade expressa também nos seus famosos contos de terror e em algumas das histórias de detetives mais macabras jamais escritas, como A Queda da Casa de Usher, Os Crimes da Rua Morgue ou O Escaravelho de Ouro. Notável mestre do suspense, Poe também era poeta e, como demonstram os seus contos sobre hipnotismo e viagens no tempo, foi um pioneiro da ficção científica.

3. Frankenstein, Mary Shelley

Simultaneamente um thriller gótico, um romance apaixonado e um conto de advertência sobre os perigos da ciência, Frankenstein conta a história do estudante de ciências Victor Frankenstein. Obcecado em descobrir a origem da vida e conseguindo animar matéria inerte, Frankenstein monta um ser humano a partir de partes do corpo roubadas; porém, ao trazê-lo à vida, recua horrorizado ante a fealdade da criatura. Atormentada pelo isolamento e pela solidão, a criatura outrora inocente vira-se para o mal e desencadeia uma campanha de vingança assassina contra o seu criador, Frankenstein.

 

NOVOS CLÁSSICOS DE TERROR

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

4. A Maldição de Hill House, Shirley Jackson

Recentemente adaptado a uma série televisiva que tem arrepiado os espetadores, A Maldição de Hill House conta a história de John Montague, especialista e estudioso do oculto, [que] chega a Hill House em busca de algo (…) que possa provar a existência do sobrenatural. Acompanham-no, Theodora, a sua assistente, Luke, o futuro herdeiro da propriedade e Eleanor, uma mulher solitária e frágil, já com experiência de encontros com poltergeists. Contudo, aquilo que, inicialmente, era apenas uma experiência em torno de fenómenos inexplicáveis torna-se, em pouco tempo, uma corrida pela sobrevivência, à medida que Hill House ganha poder e escolhe, de entre eles, aquele que quer para si…

5. A Coisa – Livro I, Stephen King

O clássico de King sobre sete adultos que regressam ao lugar onde cresceram para enfrentar um pesadelo que todos eles lá viveram… algo maléfico e sem nome: a Coisa.
Bem-vindos a Derry, no Maine. Uma cidade vulgar: familiar, ordeira e, na maior parte das vezes, um bom sítio para viver.  Mas há um grupo de crianças que sabe que há algo de tremendamente errado com Derry  … O segundo volume (A Coisa – Livro II) sai dia 2 de novembro.

6. Sempre Vivemos no Castelo, Shirley Jackson

“Chamo-me Mary Katherine Blackwood. Tenho dezoito anos e vivo com a minha irmã Constance. É frequente pensar que se tivesse tido um pouco de sorte poderia ter nascido lobisomem, porque o anular e o dedo médio das minhas mãos têm o mesmo comprimento, mas tive de me contentar com aquilo que tenho. Não gosto de me lavar, nem de cães ou barulho. Gosto da minha irmã Constance, de Ricardo Coração de Leão e do Amanita phalloides, o cogumelo da morte. Todas as outras pessoas da minha família estão mortas.” Assim inicia Shirley Jackson o seu último romance, de 1962, considerado pela crítica uma das obras-primas da literatura norte-americana.

POLICIAIS & THRILLERS

Este slideshow necessita de JavaScript.

7. Pequenos Vigaristas, Gillian Flynn

Uma jovem astuta tenta sobreviver num universo marginal, mas sobretudo inofensivo. Numa manhã chuvosa de abril, está a ler auras em Palmas Espirituais quando chega Susan Burke. Excelente observadora do comportamento humano, a nossa narradora faz imediatamente o diagnóstico: uma mulher rica e infeliz, ansiosa por um pouco de drama e emoção. Mas quando vai visitar a estranha casa vitoriana onde Susan vive, e que é a causa do seu terror e angústia, percebe que talvez já não seja preciso fingir que acredita em fantasmas… Miles, o enteado de Susan, também não ajuda. Não tarda a que os três se debatam para descobrir onde reside efetivamente o mal, e se existe alguma possibilidade de fuga. Da autora de Em Parte Incerta, adaptado ao cinema em 2014.

8. Segredos Mortais, Robert Bryndza

Numa manhã gelada de inverno, uma mulher acorda e encontra o corpo ensanguentado da filha à porta de casa. Quem seria capaz de tal atrocidade? A detetive Erika Foster vive um momento de fragilidade devido ao último caso que resolveu, mas está decidida a liderar também esta investigação. Ao deitar mãos à obra, toma conhecimento de outros ataques cometidos na mesma zona pacata do sul de Londres onde o crime ocorreu. Um pormenor arrepiante liga-os ao homicídio – todas as vítimas foram atacadas por uma figura vestida de preto com uma máscara de gás. Erika procura um assassino cujo cartão de visita é aterrorizante. O caso complica-se quando descobre a teia de segredos que rodeia a morte da bela jovem.

9. A Bela Adormecida Assassina, Mary Higgins Clark

Casey foi acusada de assassinar o noivo, um famoso filantropo, há quinze anos, mas sempre afirmou a sua inocência. Cumpriu a pena, mas continua «sob suspeita». Falam nas suas costas, não consegue arranjar emprego e até a própria mãe a trata como se fosse culpada. Agora, com o programa de Laurie, tem a última oportunidade de limpar o seu nome. Alex Buckley faz uma pausa (interrompendo o potencial romance com Laurie) e é substituído por Ryan Nichols, um brilhante advogado de Harvard, que se opõe à apresentação do caso, porque tem a certeza de que Casey é culpada. Laurie tem de enfrentar todos estes obstáculos para provar de uma vez por todas a inocência de Casey. Isto, claro, se ela estiver inocente…

HISTÓRIAS VERÍDICAS

Este slideshow necessita de JavaScript.

10. Mindhunter – Caçador de Mentes, John Douglas e Mark Olshaker 

Um livro que serviu de inspiração à série homónima da Netflix. Os bastidores de alguns dos casos mais terríveis, mais impressionantes e desafiadores investigados pelo FBI . Ao longo de mais de duas décadas ao serviço desta instituição, o agente especial John Douglas tornou-se uma figura lendária, com uma ação exemplar na aplicação da lei e na perseguição aos mais sádicos e violentos homicidas do nosso tempo. Tal como John Crawford em O Silêncio dos Inocentes, Douglas confrontou, entrevistou e estudou muitos assassinos em série, entre os quais Charles Manson, autor dos macabros crimes de Los Angeles no final da década de 1960. (…) Um fascinante relato de vida de um agente especial do FBI e da mente dos mais perturbados assassinos em série que ele perseguiu.

11. Desaparecer na EscuridãoMichelle McNamara 

Este livro tem o enredo, suspense e intensidade de um policial. Trata-se, no entanto, de um livro de não-ficção. McNamara morreu de forma trágica a meio da investigação que procurava identificar o Golden State Killer, responsável por uma onda de violações e assassinatos na Califórnia que se prolongou por mais de dez anos. A Polícia arquivou o caso. Mas McNamara continuou a investigação pelos seus próprios meios. Desaparecer na Escuridão é o relato de anos de investigação sobre a mente de um criminoso impiedoso. É também o retrato da obsessão de uma mulher pelo fim da impunidade de um assassino. Este livro está destinado a tornar-se um clássico da literatura policial. Os direitos de adaptação para série de televisão foram adquiridos pela HBO.

12. A Sangue Frio, Truman Capote

O americano Truman Capote foi um escritor versátil, mas a sua grande obra foi o romance não-ficção A Sangue Frio, que conta a história da morte da família Clutter, em Holcomb, Kansas, e dos autores da chacina. (…) Além de narrar o extermínio do fazendeiro Herbert Clutter, de sua esposa Bonnie e dos filhos Nancy e Kenyon – uma típica família americana dos anos 50, pacata e integrada na comunidade-, o livro reconstitui a trajectória dos assassinos. (…) A intensa relação que Capote estabeleceu com as suas fontes foi determinante para o êxito da obra. Além de passar mais de um ano na região de Holcomb, investigando e conversando com moradores, aproximou-se dos criminosos e conquistou a sua confiança.

INFANTO-JUVENIS

Este slideshow necessita de JavaScript.

13. Mortina – Uma História de Morrer a Rir, Barbara Cantini

A Mortina é uma menina, mas não é uma menina como as outras: é uma menina morta-viva. Vive no Casarão Decadente, com a tia Falecida, e o seu único amigo é um galgo albino, chamado Tristonho, que anda sempre com ela. A Mortina gostava de ter amigos da sua idade para brincar, mas está proibida de se mostrar às pessoas, não fossem elas apanhar um susto de morte. Mas um dia surge a sua grande oportunidade: a festa do Halloween! A Mortina nem sequer precisa de arranjar uma fantasia… Mas o que acontecerá quando as outras crianças descobrirem que ela não está mascarada?

14. A Estranha Vida de Nobody Owens, Neil Gaiman

Nobody Owens podia ser um rapaz perfeitamente normal não fosse o facto de viver num cemitério e ter como família adoptiva uma série de fantasmas, almas penadas e outras entidades semelhantes que o educam e cuidam dele. Owens não se pode gabar de nunca se ter metido em sarilhos, mas é para além das grades do cemitério que residem os verdadeiros perigos, pois é aí que vive Jack – o homem que nunca desistiu de procurar Owens desde aquela sinistra noite em que matou toda a sua família… Suspense, humor e magia num livro encantador destinado a tornar-se uma obra de culto da ficção juvenil.

15. Que Medo! – Guia para fabricar coragem e enfrentar qualquer monstro, Barbara Frandino 

É verdade que quando os pais se separam têm de dividir tudo, até mesmo o gato, e que, por isso, a mãe poderá ficar com o focinho, e o pai com a cauda? E que uma vez um menino meteu a mão no escuro e nunca mais a encontrou? Podemos ter medo de muitas coisas diferentes: de nos perdermos, de crescer, de sermos criticados, de falhar… O medo é uma emoção normal, que deve ser respeitada, e que nos permite ficar de sobreaviso em relação aos perigos. Mas é também uma faca de dois gumes: por vezes, não conseguimos distinguir uma preocupação real de uma desnecessária.