‘O Século dos Prodígios’ vence Prémio História da Presença de Portugal no Mundo

O S+culo dos Prod+gios

O livro O Século dos Prodígios – A Ciência no Portugal da Expansão, de Onésimo Teotónio Almeida, foi o vencedor do Prémio Fundação Calouste Gulbenkian, História da Presença de Portugal no Mundo, anunciado ontem. A cerimónia de entrega do prémio ocorrerá a 5 de dezembro, pelas 15 horas, nas instalações da APH, em Lisboa.

Instituído na APH, sob o patrocínio da Fundação Calouste Gulbenkian, este é um prémio que visa galardoar obras históricas de reconhecido mérito. Uma honrosa distinção que surge um dia antes da sessão de lançamento do livro, agendada para hoje, 9 de novembro, às 18:30, na livraria Bertrand Picoas Plaza, em Lisboa. Com apresentação de Francisco Contente Domingues.

Num momento em que se discute a importância e a natureza dos Descobrimentos, Onésimo Teotónio Almeida lembra o carácter pioneiro da ciência portuguesa desse período – o nosso século XVI foi, verdadeiramente, um século de prodígios, cheio de inovação, de curiosidades e de especulação. Em O Século dos Prodígios, o autor presta especial atenção aos séculos XV e XVI, afastando-se tanto da perspetiva nacionalista (na qual incorrem com frequência os historiadores portugueses), como da indiferença que geralmente marca a historiografia anglo-saxónica – ao ignorar o papel que Portugal teve na história da ciência e do conhecimento. Este livro é uma revisitação desses anos de ouro da história portuguesa e a revelação de como, durante o «período da Expansão», surgiu e cresceu um núcleo duro de pensamento e trabalho científico pioneiros, que tornou possíveis as viagens desses séculos – e dos posteriores.