10 curiosidade sobre J. R. R. Tolkien

J. R. R. Tolkien

Há 127 anos atrás, neste mesmo dia, nascia John Ronald Reuel Tolkien, mais conhecido como J. R. R. Tolkien. Recordamo-lo com algumas curiosidades sobre o autor de uma das mais famosas trilogias da história da literatura – O Senhor dos Anéis.

 

Imagem relacionada

 

1. Embora seja um dos maiores nomes da literatura britânica, Tolkien não nasceu na Grã-Bretanha mas sim na África do Sul, em 1892, então colonizada pelos britânicos. Já o seu apelido tem origens alemãs, de onde a sua família havia emigrado no século XVIII;

 

Resultado de imagem para book icon

 

2. Aprendeu a ler com a sua mãe quando tinha apenas 4 anos e a escrever fluentemente pouco depois. Ela ensinou-lhe também latim, francês, alemão e cultivou em si um interesse por Botânica. Nesse mesmo ano, perdeu o seu pai e, oito anos depois, a mãe, passando a ser criado por um padre;

 

wedding-rings-icon-vector-4374612

 

3.  Aos 16 anos, apaixonou-se por Edith Bratt. Sendo Edith protestante e o seu tutor um padre Católico, foi proibido de ter qualquer contacto com ela até que atingisse a maioridade. Tolkien obedeceu e quando se voltaram a encontrar, aos 21 anos, Edith terminou um noivado que ocorreu durante a separação dos dois e converteu-se ao catolicismo para que os dois se pudessem casar. Ficaram juntos até ao final das suas vidas e até mesmo depois da morte, pois partilham um túmulo no qual estão inscritos os nomes “Beren” e “Lúthien” – como referência ao seu livro Beren e Lúthien que conta uma história de amor entre um homem, mortal, e uma elfo, imortal;

4. Tolkien era um veterano da Primeira Guerra Mundial, tendo servido durante algumas das batalhas mais sangrentas da altura, como é o caso da Batalha do Somme. Tendo perdido quase a totalidade dos seus amigos durante este período, a sua obra reflete, inevitavelmente, a tragédia e as atribulações da guerra;

 

Resultado de imagem para academic icon

 

5. Era um filólogo de renome com especialidade em Inglês e Nórdico Antigos, tendo sido nomeado para dirigir a Cadeira de Anglo-Saxão na Universidade de Oxford com apenas 33 anos. Contudo, desde os 12 anos que mostrava possuir um extraordinário talento linguístico, tendo aprendido desde cedo o latim, o alemão, o francês (com a sua mãe) e, mais tarde, uma série de outros idiomas, tanto modernos como antigos, como o gótico, o finlandês ou o islandês;

 

Tengwar_sample

 

6. Foi a paixão pelas línguas que o levou a escrever O Senhor dos Anéis, procurando, acima de tudo, criar um mundo no qual pudesse utilizar, de forma verosímil, as línguas que criou ao longo da sua vida. Entre elas contam-se o “Animalic” (um idioma construído a partir de nomes de animais), ou o “Nevbosh” (ou Novo Absurdo) que criou para seu próprio divertimento e as línguas que criou com o mundo da Terra Média em mente: nomeadamente, as línguas élficas Quénia e Sindarin;

 

Resultado de imagem para lord of the rings icon

 

7. A primeira frase de O Hobbit, surgiu-lhe enquanto avaliava testes dos seus alunos em Oxford, e escreveu-a pela primeira vez numa folha de exame em branco. Após a sua publicação, tendo sido recebido de forma positiva pelo público, a editora solicitou uma sequela. Em resposta, Tolkien entregou-lhes os rascunhos de O Silmarillion, mas os editores rejeitaram, acreditando que o que o público queria era ler mais sobre os hobbits. Foi aí que o autor começou a trabalhar em The New Hobbit, que viria a ser O Senhor dos Anéis, uma das epopeias mais ricas que a literatura fantástica jamais conheceu;

 

Resultado de imagem para santa claus icon

 

8. Tolkien teve quatro filhos e era um pai dedicado. Todos os Natais enviava-lhes cartas ilustradas fingindo ser o Pai Natal e a cada ano que passava, ia adicionando novas personagens – como o Urso Polar (ajudante do pai Natal), o Boneco de Neve (o seu jardineiro) ou a elfa Ilbereth (a sua secretária) – bem como criando histórias cada mais complexas – desde relatos de batalhas do Pai Natal com duendes às inúmeras partidas do Urso Polar. Posteriormente, estas cartas foram compiladas e publicadas no volume Cartas ao Pai Natal;

 

Resultado de imagem para hitler icon

 

9. Durante a 2ª Guerra Mundial, Tolkien, forte opositor de Hitler, considerou proibir uma tradução alemã de O Hobbit após a editora (Rütten & Loening) lhe ter pedido, de acordo com a lei Nazi, para se certificar de que a sua ascendência era “ariana”, e não judia. Revoltado com a imposição, escreveu uma carta para seu amigo e editor com duas propostas de respostas diferentes à editora, deixando ao critério de Unwin qual das duas seria enviada. Na primeira, ele diz, de forma sutil, que não concorda com a exigência. Na segunda, Tolkien ataca elegantemente o regime de Hitler, elogiando os judeus e explicando o equivocado uso do termo “ariano” pelo Terceiro Reich;

 

Imagem relacionada

 

10 – Muitas das suas obras foram publicadas postumamente. Os seus manuscritos têm sido editados, revistos, compilados e publicados em dúzias de volumes desde o seu falecimento em 1971.  A sua obra póstuma mais famosa é O Silmarillion, mas entre estas contam-se também livros como A Lenda de Sigurd e Gudrún, ou Os Filhos de Húrin , sendo que o mais recente foi publicado este ano, com o título The Fall of Gondolin.