Um amor para toda a vida | Jean-Paul Sartre e Simone de Beauvoir

coração3

Quem são?

Ambos autores e filósofos, Jean-Paul Sartre foi um dos expoentes do pensamento filosófico francês e da corrente existencialista na literatura do século XX. Em 1964, foi-lhe atribuído o Prémio Nobel da Literatura, galardão que recusou como protesto contra os valores da sociedade burguesa. Simone de Beauvoir, para além da escrita e da filosofia, dedicou-se também ao ativismo, tendo participado no movimento francês de emancipação das mulheres, nos anos de 1970, e servido de modelo e de influência aos movimentos feministas posteriores.

Como se conheceram?

Em 1924, quando Sartre ingressou na École Normale Supérieure para estudar filosofia, conheceu outra estudante brilhante de filosofia, Simone, sendo ambos os melhores da sua classe. Embora Sartre tivesse reputação de ser mulherengo e amigo da bebida, ainda assim chamou a atenção de Simone e os dois começaram a organizar sessões de estudo juntos. Desde aí, começaram a ver-se todos os dias.

O que torna o seu amor especial?

Embora longe de ser perfeito, duas características que definiram a relação de Beauvoir e Sartre foram a sinceridade, acima de tudo, e a recusa em obedecer a qualquer convenção social. Sendo os dois grandes críticos dos valores da sociedade da altura, que consideravam hipócrita, optaram por nunca se casar e mantinham uma relação aberta, sendo ambos livres de ter quantos amantes quisessem desde que fossem sempre honestos um com o outro. Juravam assim devoção mútua um ao outro, com total liberdade. Ficaram juntos até à morte de Sartre em 1980, sendo que Simone juntar-se-ia a ele 6 anos depois. Os dois partilham um túmulo no cemitério de Montparnasse em Paris.

 

Um amor imortalizado em páginas

1. Tête-à-Tête – The Lives and Loves of Simone de Beauvoir & Jean-Paul Sartre, Hazel Rowley

2. Adieux – A Farewell to Sartre, Simone de Beauvoir

3. Letters to Sartre, Simone de Beauvoir

 

26-3