“O Ano da Morte de Ricardo Reis” vai ser adaptado para cinema

 

João Botelho pretende levar para o grande ecrã o romance “O Ano da Morte de Ricardo Reis”, de José Saramago. Depois da adaptação de vários clássicos da literatura portuguesa – entre os quais “Peregrinação”, de Fernão Mendes Pinto, e “Os Maias”, de Eça de Queiroz -, o cineasta português entrega-se agora a Ricardo Reis e às suas conversas com o fantasma de Fernando Pessoa.

Segundo o site Comunidade, Cultura e Arte, as filmagens já começaram e decorrerão até maio, constando Lisboa, Coimbra e Entroncamento entre as cidades escolhidas para as gravações. Do leque de atores, destacam-se Chico Díaz, no papel de Ricardo Reis; Luís Lima Barreto, como Fernando Pessoa; Catarina Wallenstein na pele Lídia e Victoria Guerra dá vida a Marcenda.

 

502x

Segundo a revista BlimundaJosé Saramago escreveu “O Ano da Morte de Ricardo Reis” por não estar de acordo com a frase: “Sábio é o que se contenta com o espetáculo do mundo”.  “Indignava-me esta espécie de indolência, esta filosofia de vida tão complacente que se me afigurava monstruosa”, escreve o Nobel da Literatura, em “A Estátua e a Pedra”Em 1984, para «demonstrar» que o espetáculo do mundo era terrível, José Saramago publicou o romance que coloca Ricardo Reis a caminhar por Lisboa e a dialogar com o fantasma de Pessoa, enquanto o mundo se encontra à beira do início da Segunda Guerra Mundial e assiste ao início da Guerra Civil de Espanha.”

 

1288743

o cineasta joão botelho. via público

 

Para João Botelho, é indubitável a importância que teve este romance na sua vida, confessando ter ficado “irremediavelmente atingido no cérebro e no coração” com a obra. “Para estar à altura deste notável romance de realismo fantástico, decidi filmar a preto branco, para a verosimilhança e a clareza das luzes, das sombras, dos vários cinzentos onde as personagens se vão mover, aflitos ou entusiasmados. (…) Nos planos finais uma explosão de cores deve permitir transportar o espectador para os tempos contemporâneos”, acrescenta o cineasta, à agência Lusa.

(via Comunidade, Cultura e Arte).

 

O filme deverá estrear em novembro de 2019.