Pedro Mexia vence Grande Prémio de Crónica e Dispersos Literários da APE

180313-PRMRS-MFL-0061-7535-1068x601

Pedro Mexia venceu, por unanimidade, o Grande Prémio de Crónica e Dispersos Literários da Associação Portuguesa de Escritores (APE) com o livro Lá Foraanunciou esta quarta-feira o júri.

Editado em 2018 pela Tinta-da-China, este livro de crónicas reúne, em quase 200 páginas, textos que o autor escreveu sobretudo para o semanário Expresso. No prefácio da obra, António Mega Ferreira refere que “mais do que lugares físicos onde tenha estado, [revela] lugares mentais acerca dos quais pensou”.

 

a5cf6ee00148b7f1109beb06545a741f-bigbook

Lá Fora (2018), a obra galardoada pela APE

Nascido em Lisboa em 1972, Pedro Mexia tem publicado poesia, crónicas e volumes diarísticos. É definido como “uma das grandes personalidades da cultura portuguesa contemporânea” e já escreveu para o teatro, organizou colectâneas literárias e tem colaborações dispersas pelos media portugueses, como o podcast Governo Sombra.

Para além destes feitos, o autor já passou pela Cinemateca Portuguesa, coordena a colecção de poesia da Tinta-da-China e é consultor para a Cultura da Casa Civil do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa (via Observador).

Entre as obras já publicadas, destacam-se Nada de Melancolia (2008), O Mundo dos Vivos (2012), Biblioteca (2015) e Poemas Escolhidos (2018).

Pedro Mexia irá receber o prémio, no valor de 12 mil euros, no próximo dia 30 de maio, em Loulé, cuja câmara municipal é parceira do prémio literário, juntamente com a APE. O júri desta edição contou com Carina Infante do Carmo, professora na Universidade do Algarve, Isabel Cristina Rodrigues, professora da Universidade de Aveiro, e Liberto Cruz, escritor português.

Em edições anteriores, o Grande Prémio de Crónica e Dispersos Literários distinguiu José Tolentino Mendonça, com a obra A Noite Abre Meus Olhos (2014), Rui Cardoso Martins e o seu livro de crónicas Levante-se o Réu Outra Vez (2016), e Mário Cláudio com A Alma Vagueante (2017).