Tayari Jones é a grande vencedora do Women’s Prize for Fiction 2019

foto: nina subin

Um livro que “faz brilhar uma luz na América de hoje (…) com uma prosa luminosa, impressionante e verdadeiramente comovente.’  Foi assim que o júri descreveu An American Marriage, o grande vencedor do Women’s Prize for Fiction 2019.

 

O romance de Tayari Jones conta a história de Celestial e Roy. As vidas destes recém-casados são viradas do avesso quando Roy é sentenciado a 12 anos de prisão por uma violação que não cometeu. Ainda que Celestial acredite na sua inocência, dá por si a encontrar o conforto necessário no seu amigo de infância, Andre. Cinco anos depois, a condenação de Roy é revogada e ele volta a casa. 

Em declarações ao The Guardian, Tayari Jones afirmou que o encarceramento é como “o Bicho Papão da América negra”, garantindo que o seu objetivo, ao escrever An American Marriage, foi “olhar debaixo da cama e enfrentá-lo de frente”.

A obra destacou-se de uma shortlist de seis livros que, entre outros, incluía não só a vencedora do Man Booker Prize 2018, Anna Burns e o seu livro Milkman, mas também o livro mais recente de Pat Barker, The Silence of the Girls, galardoada em 1995 com o mesmo prémio. 

“Estou emocionada e honrada. Não estava à espera de ganhar. A shortlist era muito forte e sentia uma grande honra em estar nos finalistas, mas não fazia ideia de que ia ganhar.”, confessou a vencedora.

Aclamado por figuras como Barack Obama e Oprah Winfrey, o galardão, no valor de £30,000, foi anunciado na passada quarta-feira, dia 5 de junho.

An American Marriage, de Tayari Jones