livros recomendados por david bowie Agosto 29

Tags

As leituras de David Bowie

livros recomendados por david bowie
Imagem: The Telegraph

Poucos artistas fizeram a diferença, não só no panorama musical, mas também artístico e cultural, de uma forma tão marcante e relevante como David Bowie. Cantor, compositor e ator, Bowie tinha, acima de tudo, a capacidade de se reinventar a cada álbum que fazia. Esta transformação regular levou a que fosse muitas vezes apelidado de  camaleão.

Cada trabalho discográfico do artista britânico contava uma história, com personagens que o próprio criava e interpretava. Gostava de as contar e gostava de lê-las.

Um livrólico como nós

A paixão de David Bowie por livros era bem conhecida. Em 1976, levou consigo quatrocentos livros quando foi para o México gravar The Man Who To Earth,  inaugurando a tradição de levar algumas caixas de livros sempre que ia em digressão.

Em 2013, foi organizada uma exposição dedicada ao músico, exibida na Art Gallery of Ontario, no Canadá. Os curadores da exposição, quando avaliaram que objetos de David Bowie utilizar, decidiram que fazia sentido incluir também livros do acervo do músico. Dessas escolhas resultou uma lista de cem livros recomendados por David Bowie.

Entre estes, encontram-se, por exemplo, George Orwell, Albert Camus ou F. Scott Fitzgerald. A mesma lista foi, posteriormente, aproveitada por Duncan Jones, filho do músico, para iniciar, em 2018, um clube de leitura virtual dedicado ao pai.

Partilhamos consigo os livros preferidos do Starman.

LIVROS RECOMENDADOS POR DAVID BOWIE

iliada - homero
Ilíada, de Homero

Um dos maiores poemas épicos da Grécia Antiga, Ilíada, cuja autoria é atribuída a  Homero, é considerada a obra que criou a literatura europeia. 

Neste livro, Homero fala dos acontecimentos que ocorreram durante o décimo ano da guerra de Tróia, a fim de contar a ira, o heroísmo e as aventuras de Aquiles, em luta contra Agamémnon.

Apesar de se atribuir a autoria a Homero, na verdade não se sabe ao certo quem foi nem que vida teve. Há, aliás, quem discuta se ele terá realmente existido.

Madame Bovary, de Gustave Flaubert

Madame Bovaryé, sem dúvida, a obra mais marcante de Gustave Flaubert, escritor francês do século XIX. É, também, um dos principais títulos da lista de David Bowie.

Publicado originalmente em 1857, gerou grande polémica, graças aos temas que aborda. Neste livro, a personagem Emma Bovary sente-se presa e aborrecida e procura no adultério um forma de escapar à vida que tem.

Na época em que foi publicado, o livro despertou tanta revolta que Flaubert chegou a ir a tribunal, acusado de atentado à moral.

madama bovary - gustave flaubert
o estrangeiro - albert camus
O Estrangeiro, de Albert Camus

O romance do Nobel da Literatura de 1957 é mais uma das escolhas de David Bowie.

O livro de Albert Camus foi originalmente publicado em 1942 e questiona o sentido da existência. A obra relata a história de Meursault, que recebe um telegrama a dar conta da morte da mãe. De regresso a casa, após o funeral, Meursault torna-se amigo de um vizinho de práticas duvidosas, reencontra uma antiga colega de trabalho com quem se envolve, vai à praia – até que ocorre um homicídio.

O livro já foi duas vezes adaptado para cinema. A primeira, em 1967, por Luchino Visconti, e em 2001, por Zeki Demirkubuz.

O Grande Gatsby, de F. Scott Fitzgerald

É provável que esta seja a obra mais notável de F. Scott Fitzgerald. Quando foi publicada pela primeira vez, O Grande Gatsby não teve sucesso, a nível de vendas.

Com uma personagem peculiar como estrela, Gatsby reflete os chamados Loucos Anos 20. Nota-se também muita influência do ambiente vivido em Paris, onde Fitzgerald escreveu a história.

O livro foi adaptado para teatro e cinema. A mais recente adaptação, em 2013, conta com Leonardo DiCaprio no papel de Gatsby. Veja o trailer aqui.

Lolita, de Vladimir Nabokov

Publicado pela primeira vez em 1955, Lolita gerou desde logo grande controvérsia. Talvez por isso, ainda seja a obra mais conhecida de Nabokov.

O livro conta a história de Humbert, professor universitário de meia-idade, e da obsessão que este desenvolve por Lolita, de 12 anos.

Polémicas à parte, o livro já foi por diversas vezes adaptado ao cinema e é considerado um dos grandes clássicos da literatura do século XX.

1984, de George Orwell

Apesar de ter sido publicado inicialmente em 1949, o livro de George Orwell mantém-se atual e obrigatório. David Bowie iria certamente concordar.

Passado numa realidade distópica, 1984 oferece uma crítica aos sistemas totalitários.

Este livro é, talvez, aquele que tem uma influência mais evidente na música de David Bowie. O álbum “Diamond Dogs“, de 1974, inclui temas como “1984” e “Big Brother“, o que mostra de forma clara a influência que a obra teve no músico.

a sangue frio - truman capote
A Sangue Frio, de Truman Capote

Considerada uma das obras que criou o conceito e género de Jornalismo Literário, A Sangue Frio conta a história do terrível crime que ocorreu em Holcomb, no estado norte-americano do Kansas. Em 1959, a família Clutter foi assassinada em casa e Truman Capote investigou o homicídio, tendo, em 1965, conseguido publicar toda a história, em quatro partes, na revista The New Yorker.

Além do foco na história da família e no crime, Capote também se focou muito nos assassinos e nos seus motivos. A obra, que mistura, com mestria, jornalismo de investigação e literatura, ainda hoje é considerada leitura obrigatória para os amantes da literatura de não-ficção.

Conheça a lista completa dos livros recomendados por David Bowie aqui.

Sofia Costa Lima
Sofia Costa Lima
Coordenação Editorial: Marisa Sousa