Stephen King, Vida e Obra Setembro 19

Tags

O rei do terror mantém o coração do lado certo

Stephen King, Vida e Obra
Imagem: Krista Schlueter / The New York Times

Publicou o primeiro conto, há mais de cinquenta anos, numa revista de histórias de mistérios. Os seus livros já venderam mais de 400 milhões de cópias e a maioria foi adaptada ao cinema, à televisão ou a banda desenhada. Prestes a fazer 72 anos, Stephen King já vai no seu 61.º romance, para além dos seis livros de não ficção e cerca de 200 contos. Quando lhe perguntam sobre a reforma, a resposta é simples: só Deus me pode mandar parar

Na semana em que celebramos o seu aniversário, mergulhamos na vida e obra daquele que é um dos mais célebres autores da literatura contemporânea, cujo imaginário vai ao encontro daquilo que há de mais humano em nós

Um autor que escreve para mais de quatro gerações

Nasceu em Portland, no estado norte-americano do Maine, em 1947. O pai, Donald, abandonou a família quando o autor tinha apenas dois anos de idade. A descoberta da escrita terá começado com a descoberta de uma coleção de contos de H. P. Lovecraft, que pertencia ao pai. Paralelamente, o trabalho de radioestesia – a captação de radiações emitidas por seres vivos -, que o tio fazia, funcionou como ímpeto para explorar conceitos menos convencionais na sua obra (via Comunidade, Cultura e Arte). 

A escrita acompanhou-o desde sempre. Vendeu livros a amigos, publicou contos e começou a ganhar os primeiros prémios literários, como o Scholastic Art and Writing Award. Quando entrou para a Universidade de Maine, estudou Artes Anglófonas, participando, simultaneamente, em workshops de escrita e colaborando com jornais académicos, como o The Maine Campus. Pelo caminho, apaixonou-se por Tabitha Spruce, uma estudante que conheceu num dos workshops que frequentou, e que acabou por ter um papel preponderante na  motivação para terminar o seu primeiro romance, Carrie (1973). 

Para além dos livros standalone, dedicou-se igualmente a séries literárias. O Pistoleiro (1982), foi apenas o início de uma saga de oito livros, escrita ao longo de quatro décadas. Escreveu banda desenhada, sobre o mundo dos X-Men, ao lado de nomes como Stan Lee e Alan Moore, e fez parte do universo Marvel Comics ao escrever sobre a juventude do protagonista da saga de A Torre Negra, num conjunto de sete livros. 

Viveu rodeado de escritores. A sua mulher, Tabitha, já publicou várias obras. O filho mais velho de ambos, seguiu as pisadas do pai e escreve livros de terror sob o pseudónimo Joe Hill. Owen, o mais novo, já escreveu um conjunto de short stories e, recentemente, publicou Sleeping Beauties em conjunto com o pai. 

A abrangência da obra literária de Stephen King ainda hoje surpreende. Os leitores que imergem nos seus livros são arrebatados pelo terror e suspense, mas também pela mensagem absolutamente humana que acompanha as centenas de personagens que despontam da sua escrita. Desde 1970 a 2019, são várias as gerações que o descobrem e prometem ficar.

Regra geral, nunca desilude. 

No Twitter, um fã espera ansiosamente para que o novo livro de Stephen King se junte à coleção
O Rei do Terror com coração humano

Stephen King é reconhecido como o rei do terror desde a década de 1970. As criaturas e personagens das suas obras são inesquecíveis, desde o palhaço demoníaco de A Coisa, à imagem icónica de Jack Torrance, em The Shining, largamente reconhecida pela adaptação cinematográfica de Stanley Kubrick.

No entanto, e ainda que o sobrenatural imaginado pelo autor seja arrepiante, os antagonistas mais perturbadores são aqueles que não escapam à esfera humana: desde a adolescente que sofre de bullying e decide vingar-se da crueldade que a rodeia, à fã que fica obcecada pela ficção do seu escritor favorito. Enquanto leitores, reconhecemo-nos nestas personagens e na nossa capacidade, enquanto seres humanos, para fazer o mal. 

A sua obra mais recente, The Institute, afasta-se dos vampiros, dos fantasmas e das criaturas maquiavélicas oriundas de outras dimensões. Nesta, crianças são retiradas das suas camas e das suas casas, sendo torturadas numa espécie de prisão secreta, por serem diferentes. 

O paralelismo com a vida real é impossível de ignorar. Vários críticos e jornalistas apontaram a similaridade com as políticas de imigração de Donald Trump, nos Estados Unidos da América. Ainda que The Institute tenha sido escrito antes de terem vindo a público as notícias sobre a detenção das crianças, nas fronteiras americanas, King reconhece o impacto que a Era Trump teve na obra. “Comecei a ter cada vez mais a noção de que as pessoas fracas, as pessoas sem privilégios e as que não pertencem ao americano branco estereotipado, estavam a ser marginalizadas”, explica ao The New York Times.

Por entre a ficção científica, a fantasia, o absurdo e o sobrenatural, Stephen King mantém uma clara esperança na decência humana. O seu mais recente livro entra nessa categoria, dando voz a crianças que acabam por revolucionar a história ao tentar fugir do local onde estão encarceradas. 

No final, não há terror que apague o (seu) coração humano.

Stephen King
Imagem: Krista Schlueter / The New York Times
Descubra a obra de Stephen King:
Sónia Rodrigues Pinto
Sónia Rodrigues Pinto
Coordenação Editorial: Marisa Sousa