The Young Men Magazine, Charlotte Brontë Novembro 20

Tags

A revista em miniatura de Charlotte Brontë

The Young Men Magazine, Charlotte Brontë
Christian Hartmann / Reuters

A criatividade e imaginação da família Brontë não conheceu limites. Em 1830, Charlotte Brontë escreveu The Young Men’s Magazines, uma revista com várias edições, originalmente criada pelo irmão mais novo, Branwell. A autora de Jane Eyre tinha apenas 14 anos e, curiosamente, os cadernos eram do tamanho de uma caixa de fósforos. 

Agora, quase 200 anos depois, um dos seis manuscritos de Charlotte volta à casa da família, no Brontë Parsonage Museum, em Haworth, onde passará a estar em exposição. São mais de quatro mil palavras e a menção a um assassino que poderá ser o embrião da história de Mr. Rochester e Jane Eyre, publicada 17 anos depois. 

Christian Hartmann / Reuters
Soldados de madeira são protagonistas na revista

Branwell Brontë,  o filho varão da família, partilhava, tal como as suas irmãs, o talento para a arte e para a escrita, sendo sobretudo conhecido enquanto pintor. Na década de 1820, juntamente com a irmã Charlotte, criou um romance, Glass Town, onde também participariam as irmãs Emily e Anne. Mais tarde, Branwell decidiu publicar uma miscelânea, uma coleção de várias obras escritas por diferentes autores, a partir de eventos e personagens desse mundo ficcional, criado com as irmãs. Seis meses depois, Charlotte ficaria responsável pela revista, apelidando-a de The Young Men’s Magazines. 

Os jovens rapazes (the young men), protagonistas das revistas, eram personagens baseadas nos 12 soldados de madeira oferecidos a Branwell pelo pai, em 1826. Cada edição era supostamente produzida e lida pelos soldados, daí o seu tamanho em miniatura. Os nomes dos autores eram, também, ficcionais: Branwell assinava como Sargeant Bud e Charlotte como Captain Tree

Aguttes SVV (França)
Um livro em miniatura que volta a casa

O Brontë Personage Museum conseguiu reunir mais de 111 mil dólares, através de um sistema de crowdfunding, para adquirir o livro em miniatura de Charlotte Brontë, contando com o apoio de várias figuras proeminentes do mundo das artes, incluindo a actriz Judi Dench, presidente honorária da Brontë Society

São 19 páginas e mais de quatro mil palavras, inúmeros anúncios escritos à mão e três histórias ficcionais baseadas no mundo de Glass TownUma das páginas, no entanto, fala sobre um assassino que enlouqueceu, ao ser assombrado pelas suas vítimas, e descreve como “um fogo imenso” dentro da sua cabeça fez com que os cortinados pegassem fogo. Segundo os especialistas, esta passagem parece ter sido a génese da ideia para a obra que tornaria Charlotte Brontë internacionalmente reconhecida: Jane Eyre.

Sónia Rodrigues Pinto
Sónia Rodrigues Pinto
Coordenação Editorial: Marisa Sousa