Dia Mundial da Televisão: Os livros que nos deixaram agarrados ao ecrã

Dia Mundial da Televisão

Chegou a Portugal na década de 1950, era um aparelho estranho, quase mágico. Uma caixinha que enchia os lugares de imagens e sons. Antes de se tornar comum ter um destes aparelhos em casa, era nos cafés que as pessoas se juntavam para ver o que aquele ecrã mostrava.

Ao longo de várias décadas, foram muitos os eventos a que assistimos através da televisão: da chegada do Homem à Lua ao 11 de setembro, da notícia de que José Saramago tinha vencido o Prémio Nobel da Literatura, e posterior discurso de aceitação, ao golo de Éder na final do Campeonato Europeu de Futebol de 2016. A televisão acompanhou-nos em muitos momentos importantes, mostrou-nos alegria e tristeza, guerra e paz, humor, música, filmes e séries.

A televisão em Portugal

A história da televisão em Portugal confunde-se, até certo ponto, com a história da Rádio e Televisão de Portugal. A RTP começou a fazer emissões experimentais a 4 de setembro de 1956, na Feira Popular de Lisboa. A 7 de março de 1957, passou a ter emissões regulares. e, a 18 de outubro de 1959, começou a transmitir o Telejornal, o programa de informação mais antigo do país, com duas emissões diárias – uma de meia hora e outra de dez minutos, no final da emissão.

Com o país ainda em ditadura, havia mais regras de funcionamento do que nas televisões de outros países. Um das regras ainda hoje nos diferencia de outros países da Europa: o uso das legendas em detrimento da dobragem. A lei do Governo de António de Oliveira Salazar vem de 1948 e era aplicada ao cinema, mas foi transferida também para a televisão. Era proibido dobrar filmes e séries estrangeiros. Alegava-se a defesa da produção nacional, mas não era o único motivo. A população era maioritariamente analfabeta e a legendagem era mais barata do que a dobragem. Além disso, havia, claro, uma facilidade acrescida em controlar e filtrar aquilo que chegava aos espetadores.

Hoje em dia, já há muitos conteúdos na televisão portuguesa que são dobrados, principalmente os conteúdos infanto-juvenis, ou emitidos com voice over, ou seja, com um narrador por cima do som original. No entanto, comparado com outros países europeus, temos muito mais conteúdo legendado do que dobrado.

Dos quatro canais ao streaming

De um canal, passámos a ter dois em 1968, com a criação da RTP2. Só nos anos 90 surgiria a televisão privada, primeiro com a SIC, em 1992, e depois com a TVI, em 1993. Hoje em dia temos já sete canais na Televisão Digital Terrestre, enquanto na televisão por cabo, fibra ou satélite, temos acesso a dezenas de outros canais.

Hoje já é possível recuar na emissão, ver conteúdos exclusivos na internet e temos até os serviços de streaming, que estão a mudar a forma como vemos televisão. Nacionais ou internacionais, muitas foram as histórias que chegaram ao ecrã, sob a forma de filmes, novelas ou séries.  Hoje celebramos o Dia Mundial da Televisão recordando cinco das mais conhecidas adaptações literárias.

LIVROS ADAPTADOS PARA TELEVISÃO

Com a saga literária por concluir, os produtores de Game of Thrones contaram com a ajuda de George R.R. Martin para terminar a história, embora tenham tido alguma liberdade de criação.

A Guerra dos Tronos, de George R.R. Martin

A saga As Crónicas do Gelo e do Fogo, ainda por terminar, de George R.R. Martin é certamente um nome incontornável nas adaptações literárias. O primeiro livro, A Guerra dos Tronos, foi publicado em 1996, mas a série televisiva só chegaria em 2011.

Atualmente com cinco livros (dez, na versão portuguesa), George R.R. Martin tem ainda previstos outros dois livros para concluir a saga, um deles espera-se que saia ainda em 2020.

Na televisão: Estreou em 2011, com produção da HBO, e terminou este ano. Durante oito temporadas, Game of Thrones foi acompanhada por milhões de pessoas por todo o mundo e venceu vários prémios. Começou a ser exibida antes da era do streaming e pode mesmo ter sido a última série que, com o streaming, manteve os espectadores agarrados ao ritmo de um episódio por semana, sempre com hora marcada.

No elenco contou com Emilia Clarke, Lena Headey, Nikolaj Coster-Waldau, Kit Harington, Sophie Turner e Peter Dinklage.

Pequenas Grandes Mentiras, de Liane Moriarty

Publicado originalmente em 2014, o romance de Liane Moriarty ganhou adaptação televisiva em 2017. Focado na história de três mulheres completamente diferentes, Madeline, Celeste e Jane, Pequenas Grandes Mentiras aborda os problemas mais simples da vida destas mulheres, mas também os grandes problemas…até que um acidente que muda as suas vidas por completo.

Na televisão: A primeira temporada, com oito episódios, cobriu a história de todo o livro, no entanto correu tão bem que a produtora e o elenco decidiram fazer uma segunda temporada, partindo do final do livro.

Reese Witherspoon e Nicole Kidman juntaram-se à HBO para produzir a adaptação de Big Little Liesque contou também com Shailene Woodley, Laura Dern, Zoë Kravitz e Alexander Skarsgård.

Depois de duas temporadas, não se sabe ainda se haverá mais para contar sobre esta série. O elenco mostra-se disponível, mas, sem livros em que se basearem, cabe aos argumentistas decidir se querem continuar a história.

À Procura de Alaska, de John Green

John Green já está habituado a ter as suas obras adaptadas, no entanto é a primeira vez que tal acontece para televisão. À Procura de Alaska foi publicada em 2005 e chegou a Portugal em 2012.

Como vem sendo habitual nos livros de Green, a história gira à volta de dois jovens: Miles e Alaska. Miles vai para um colégio interno no Alabama e conhece a misteriosa Alaska, que um dia desaparece quase sem deixar rasto.

Na televisão: A adaptação chegou ao serviço de streaming americano Hulu em outubro de 2019, com oito episódios disponíveis.

A minissérie Looking for Alaska tem Charlie Plummer e Kristine Froseth nos papéis principais.

The Walking Dead, de Robert Kirkman

Durante dezasseis anos, entre 2003 e 2019, Robert Kirkman publicou uma série de livros de banda desenhada a que chamou The Walking Dead.

A personagem principal é Rick Grimes, um polícia do estado de Georgia, nos Estados Unidos. A história acompanha a sua história e da sua família assim como de outros sobreviventes que se uniram depois de o mundo se encher de zombies.

Na televisão: Produzida pelo canal AMC, The Walking Dead estreou em 2010, numa temporada de apenas seis episódios. Atualmente, está na 10.ª temporada, mas o canal já oficializou também a 11.ª temporada, com a possibilidade de renovar por mais temporadas. Na série, cabe a Andrew Lincoln dar a vida a Rick Grimes.

Atenta à forma como a internet tem mudado a televisão, a TVI disponibiliza os 30 episódios completos na sua plataforma digital, o TVI Player.

Equador, de Miguel Sousa Tavares

Equador foi o primeiro romance de Miguel Sousa Tavares, publicado em 2003. O romance histórico começa com Luís Bernardo a ser chamado a visitar o rei D. Carlos I, que se encontrava em Vila Viçosa. O rei tem uma missão para Luís Bernardo: ser governador na distante ilha colonizada de São Tomé.

O livro foi publicado em dez outros países e é, ainda hoje, considerado um dos mais importantes trabalhos do autor português.

Na televisão: A TVI adaptou o romance de Sousa Tavares para uma série de 30 episódios, emitidos no canal entre 2008 e 2009.

O elenco principal de Equador contou com Filipe Duarte, Maria João Bastos e Marco d’Almeida. Além destes, nomes como Alexandra Lencastre, Nicolau Breyner e Eunice Muñoz fizeram também parte da produção. A série foi filmada em cinco países, com participação de 120 atores.

ESPREITE A NOSSA LIVRARIA ONLINE E ESCOLHA COM QUE OBRA IRÁ CELEBRAR O DIA MUNDIAL DA TELEVISÃO
Sofia Costa Lima
Sofia Costa Lima
Coordenação Editorial: Marisa Sousa