5 livros recomendados por Neil deGrasse Tyson

“O Cosmos é tudo o que existiu, existe ou existirá.”  É essa a frase que dá o mote ao programa de televisão que consagrou Neil deGrasse Tyson como o astrofísico mais popular do mundo – Cosmos. Apesar desta dever o seu sucesso ao facto de ser uma versão moderna da série homónima dos anos 80, protagonizada pelo reputado astrónomo Carl Sagan, a popularidade de Neil fora da comunidade científica começou com a publicação do bestseller Astrofísica para Gente com Pressa.

Recentemente, lançou o livro Letters from an Astrophysicist, o seu livro mais pessoal até à data, e as Edições Desassossego publicaram Origens, um livro que escreveu em coautoria com Donald Goldsmith, sobre a evolução da nossa compreensão das origens do cosmos. A propósito do primeiro, o site Goodreads convidou o cientista a partilhar cinco sugestões de leituras para todos aqueles que se interessam por ciência – essa área do conhecimento cuja maior vantagem é, segundo Neil, o facto de continuar a ser verdade, quer alguém acredite nela ou não.

‘The good thing about science is that it’s true whether or not you believe in it.’

Os Anjos Bons da Nossa Natureza , de Steven Pinker

Steven Pinker é um psicólogo experimental e cientista cognitivo que faz parte da lista de pensadores mais influentes divulgada pela revista Time.  Neste livro profundamente inovador defende que, apesar das notícias incessantes sobre guerra, crime e terrorismo, a violência tem decrescido nos últimos períodos da história. Segundo a editora, Relógio d’Água“Pinker examina os demónios interiores que nos conduzem à violência, e os anjos que dela nos afastam, mostrando-nos como certas alterações nas nossas ideias e acções permitiram aos anjos do bem triunfar.”

Dando seguimento ao seu estudo sobre a natureza humana, Pinker cria um poderoso contrargumento perante o discurso fatalista e nostálgico que vê no passado o reflexo de um tempo melhor e mais simples. Sobre este, escreve Neil que ficou“encantado por saber que, apesar da violência devidamente reportada por todo o mundo, ao longo do tempo temo-nos tornado numa espécie mais bondosa e gentil”.

An Appetite for wonder, de richard dawkins

Embora ainda não exista tradução para português, An Appetite for Wonder, publicado nos EUA e no Reino Unido em 2013, é o primeiro volume da biografia imperdível do biólogo evolutivo Richard Dawkins.  Autor de bestsellers como O Gene Egoísta, no qual desenvolve a sua teoria da evolução centrada nos genes, ou A Desilusão de Deus, no qual defende que Deus não existe e as religiões são causadoras da maior parte dos males do mundo, Dawkins é uma figura profundamente polémica mas, indiscutivelmente, um dos cientistas mais importantes da ciência moderna.

Para Neil, este que é um dos melhores autores de não-ficção e divulgadores científicos da atualidade, é uma inspiração assumida. Sobre este livro que oferece aos leitores um olhar íntimo à vida de Richard desde a sua infância, escreve Neil: “O Richard Dawkins é um dos meus heróis inteletuais. Porque não haveria de querer saber a sua história de origem?”.

a invenção da natureza - as aventuras de alexander von humboldt, de andrea wulf

Andrea Wulf  apelida Alexander von Humboldt (1769-1859) de “o herói esquecido da ciência”. Segundo a editora, Temas e Debates, Humboldt “[d]eu nome a mais coisas do que qualquer outro: cidades, rios, cordilheiras montanhosas, uma corrente oceânica, um pinguim, uma lula gigante e até o Mare Humboldtianum na Lua. As suas andanças singulares parecem extraídas de um livro de aventuras: Humboldt penetrou na floresta tropical, subiu aos vulcões mais altos do mundo e inspirou príncipes e presidentes, cientistas e poetas. Napoleão invejava-o; a revolução de Simão Bolívar foi alimentada pelas suas ideias; Darwin zarpou a bordo do Beagle por causa dele; e o Capitão Nemo de Júlio Verne tinha lido todos os livros de Humboldt. Ele era simplesmente, como disse um contemporâneo, «o maior homem desde o Dilúvio». Porque razão, então, tão poucas pessoas parecem saber quem ele foi?

Até ler este livro, também Neil admite que sabia pouco sobre  este homem que mudou a forma como vemos a natureza, mas afirma que: “É sempre bom aprender mais sobre cientistas culturais cujo trabalho apenas conheço pelas suas investigações”.

on the day you were born, de debra frasier

Apesar de ser um livro infantil, On the day you were born, da autora norte-americana Debra Frasier, é muito mais que apenas um livro para crianças. Contado numa linguagem simples e ilustrado com colagens apelativas, este livro celebra os milagres naturais da Terra enquanto dá as boas-vindas a um bebé recém-nascido que começará, aos poucos, a perceber o seu lugar neste planeta.

Estando acompanhado por um glossário detalhado que explica fenómenos naturais como a gravidade, as marés ou a migração, este é não só o livro perfeito para oferecer a mães e pais de recém-nascidos como para começar a explicar estes conceitos a crianças mais crescidas. Para Neil, é o livro que faz com que ele nunca se tenha aventurado a escrever um livro infantil, declarando: “Vou continuar a recusar convites para escrever um livro ilustrado para crianças até chegar o dia em que sinta que consigo escrever um livro melhor que este. De momento, ainda me parece que isso nunca irá acontecer.” 

quantum, de patricia cornwell

Patricia Cornwell é uma autora bestseller de romances policiais. Durante a juventude, foi jornalista de investigação criminal no The Charlotte Observer e, mais tarde, colaborou como voluntária numa esquadra de polícia. Foram estas experiências que contribuíram para a intensa veracidade que  coloca nos seus romances. 

Quantum, publicado nos EUA em outubro, é o primeiro livro de uma nova série que apela não só a leitores de policiais mas também a fãs de ficção científica. No caso de Neil, apesar de confessar ainda não ter lido o livro uma vez que só recentemente foi publicado, é essa componente da ficção científica em junção com a capacidade de Patricia de construir uma história credível, que desperta o seu interesse. Em relação a este, disse Neil: “Livro recentemente publicado portanto ainda não o li, mas está na minha lista. Ciência verdadeira, crimes verdadeiros, espaço verdadeiro!” 

Beatriz Sertório
Coordenação Editorial: Marisa Sousa